Umbu é alternativa de renda para produtores do Norte de Minas

Produção do fruto no Norte de Minas começou a crescer após a EPAMIG iniciar estudos, em 1996, para deixar o umbu maior e mais saboroso

Foto: Leo Queiroz

“O umbuzeiro precisa de expansão do mercado consumidor, através de uma divulgação maior do fruto”. A orientação é do engenheiro agrônomo e pesquisador da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), Nívio Gonçalves, especialista na produção de umbu. 

O pesquisador aponta que, principalmente na região Norte de Minas, o fruto merece mais destaque, pois é uma fruteira endêmica da Caatinga e fundamental no processo de desenvolvimento da agricultura familiar, tanto pela facilidade no plantio quanto pela certeza de colheita, já que é resistente à seca e às altas temperaturas.

“É preciso difundir a fruta no país. Quem prova sempre gosta e nossa expectativa é a de que, pela tendência dos últimos anos, se amplie bastante o consumo”, destaca Nívio.

Leia também: Mudas de Umbu são comercializadas pela EPAMIG Norte

No Norte do estado, os principais municípios produtores são Porteirinha, Janaúba, Mamonas, Monte Azul e Januária. Assim como o pequi, o umbu também é colhido em terrenos abertos por famílias que aproveitam para incrementar a renda.

Umbu em números

Cerca de 90% da produção de umbu do Brasil está concentrada na região Nordeste do país. A colheita de umbu movimentou, em 2018, 8,3 milhões de reais. Segundo o IBGE, a produção foi de quase 8 toneladas do fruto.

Leia também: Nova edição do Informe Agropecuário aborda o umbuzeiro, a fruteira da Caatinga

A colheita é iniciada em janeiro, mas já é possível encontrar o fruto no mercado de Montes Claros, município mineiro, por 15 reais o quilo ou 4 reais a peruca (sacola semelhante a uma rede onde são colocados).

A fruta pode ser convertida em vários produtos, como polpa de suco, sorvete, doce, geleia, além da tradicional bebida umbuzada, feita a partir do cozimento do umbu. O fruto e seus derivados também têm mercado internacional. 

Opção para gerar renda no semiárido

Com chuva, a produção é maior, mas o umbuzeiro “aguenta o tranco” quando o assunto é seca. Talvez por isso o produtor Pedro Nogueira acredita que produzir umbu é uma opção financeira viável para a economia regional.

“A produção diminui, mas suporta bem a seca. Com pouca chuva vai ser uma das poucas alternativas da região”, disse Pedro Nogueira.

Ele produz há 16 anos e tem hoje dez hectares da planta. “Quando meu pai começou a plantar o umbuzeiro, disseram que ele estava louco, mas, na verdade, deu muito certo. Hoje enviamos para Brasília e São Paulo”, conta.

O principal mercado para a fruta está em regiões que abrigam grande número de nordestinos.

Evolução

A produção de umbu no Norte de Minas começou a crescer após a EPAMIG iniciar estudos, em 1996, para deixar o umbu maior e mais saboroso.

A instituição realizou uma varredura na região e encontrou umbuzeiros capazes de produzir fruto de 50g, cerca de 30g a mais que a média. O objetivo era alcançar mais mercado e consumidores.

O estudo evoluiu e a plantação de Pedro Nogueira, por exemplo, foi constituída por mudas desenvolvidas pela EPAMIG.

*

Texto de Carlos Castro Jr. do jornal O Norte, de Montes Claros.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s