Fruticultura é debatida em evento técnico no Norte de Minas

EPAMIG apresenta tecnologias estabelecidas e inovações para o segmento com destaque para a bananicultura

Presidente Nilda Soares durante solenidade de abertura do Fruit Connections, em Janaúba

(Janaúba, 08.11.2019) Que o Norte de Minas é um grande polo produtor de frutas já se sabe. Responsável pela produção de cerca de 42 mil toneladas de manga e estimando, por exemplo, que só a cadeia produtiva da banana gere cerca de 12 mil empregos diretos e 35 mil indiretos, a fruticultura é, sem dúvida, a maior atividade econômica da região. Nesse cenário, produtores, pesquisadores, estudantes, lideranças locais e estaduais estiveram reunidos, nos dias 7 e 8 de novembro, para a terceira edição do Fruit Connections, evento realizado pela Associação Central dos Fruticultores do Norte de Minas (Abanorte), em parceria com diversas instituições, para valorização e apoio à cadeia da fruticultura. Na programação estiveram palestras, oficinas técnicas, balcão de negócios, oportunidades de networking, tour pela região do Jaíba para demonstração de tecnologias em campo, além da participação de agentes do agronegócio de todo o país por meio de estandes de visitação e atendimento.

Dia de Campo – Tour pela região do Jaíba começou pelo Campo Experimental da EPAMIG de Mocambinho (foto: FernandaFabrino)

Abrindo a programação a EPAMIG sediou Dia de Campo, no Campo Experimental de Mocambinho, em Jaíba, voltado para compartilhamento de tecnologias de irrigação para a produção de banana. A chefe geral da EPAMIG Norte, pesquisadora Polyanna Oliveira, afirma que as pesquisas evoluíram bastante nessa área e que já é possível observar manutenção da produção, com qualidade e uso racional da água. “No cenário de escassez hídrica que o Norte de Minas atravessa nossas pesquisas se voltaram para a otimização na irrigação, de forma a garantir a produtividade de diversas variedades de banana, ao mesmo tempo em que se mantém a qualidade”, explica. Ainda de acordo com ela o evento foi uma grande oportunidade da EPAMIG tornar ainda mais conhecidas as suas tecnologias e mostrar as alternativas de trabalho. “Especialmente as pesquisas para redução do uso de água nas diversas fruteiras – que é um trabalho feito em parceria com outras instituições, como a Embrapa -, chegaram ao conhecimento de técnicos e produtores de todo o país”, realça. 

A presidente da Abanorte, Nilde Antunes, realçou os avanços conquistados pela associação com a força do trabalho em conjunto e, além de enumerar as demandas eminentes dos fruticultores, também endossou a necessidade da disponibilização de tecnologias para os produtores rurais como um fator decisivo. “Entre nossas reivindicações estão os investimentos em tecnologia. Nós precisamos estimular a inovação”, reforçou ela. Participando do evento, o gerente do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) regional de Montes Claros, Dirceu Martins, credita sucesso ao Fruit Connections por se tratar de um ambiente de compartilhamento de conhecimentos e tecnologias que devem ser apreendidas por todos os agentes da cadeia. “É muito importante que nossos técnicos estejam na vanguarda, para levar aos produtores rurais o que há de mais moderno em tecnologia, com o objetivo de aumentar a eficiência produtiva”, diz. 

Pesquisa e tecnologia

A presidente da EPAMIG, Nilda Soares, foi uma das palestrantes do evento debatendo o papel dos centros de pesquisa no desenvolvimento da fruticultura. “Existe uma gama de soluções já disponíveis e de sucesso, alternativas de produção e de melhor utilização de recursos, entre muitas outras, mas ainda temos muito a fazer, é uma área de grande potencial mas também de grandes carências. Precisamos, cada vez mais, investir em pesquisa e voltar os olhos, especialmente dos órgãos públicos como a própria EPAMIG, a Emater, Codevasf e Sebrae, para a construção de políticas públicas que impulsionem o desenvolvimento da região”, enfatizou. Ela também falou da preponderância da EPAMIG nas pesquisas com bananicultura no Norte de Minas sendo uma das responsáveis pelo estabelecimento do cluster da banana na região.

Na oportunidade foi ainda exibida reportagem em vídeo sobre o desenvolvimento das pesquisas e os avanços da cultura da banana no Norte de Minas. Produzida pela EPAMIG, ela reúne depoimentos de produtores, empresários e técnicos sobre o papel da Empresa no apoio ao desenvolvimento dessa cadeia. 

Presidente da EPAMIG, Nilda Soares, durante painel sobre o papel dos centros de pesquisa no desenvolvimento da Fruticultura (foto: FernandaFabrino)

O Fruit Connections reuniu mais de 500 participantes durante toda a programação. A próxima edição acontece em novembro de 2020.

A EPAMIG é uma empresa vinculada à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Minas Gerais. 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s