Prevenção e controle da mastite contribuem para a qualidade do leite

IMG_0107 Diversos fatores interferem na qualidade final do leite - Foto Erasmo Pereira(Belo Horizonte, 4/11/2019) – A qualidade do leite é um dos principais desafios enfrentados pelo setor lácteo e pode ser influenciada por fatores como manejo; alimentação; genética; saúde das vacas; além de condições ligadas à obtenção, resfriamento e armazenagem. “Dentre esses, a inflamação da glândula mamária (mastite) representa a principal influência negativa sobre a qualidade e quantidade do leite produzido”, aponta a coordenadora do Programa Estadual de Pesquisa em Bovinocultura da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), Cristiane Viana Guimarães Ladeira.

A mastite está entre as enfermidades que mais afetam os rebanhos leiteiros no mundo, causando perdas econômicas para o produtor de leite e para a indústria de laticínios em função da redução da quantidade e do comprometimento da qualidade do leite produzido. A doença pode, inclusive, causar a perda total da capacidade secretora da glândula mamária. “Os programas de prevenção e controle da mastite são baseados em práticas de manejo na ordenha, com ênfase na desinfecção dos tetos pós-ordenha, utilização correta do equipamento de ordenha, antibioticoterapia terapêutica e profilática, segregação ou descarte de animais persistentemente infectados”, explica Cristiane.

IMG_9024 Os programas de prevenção e controle da mastite são baseados em práticas de manejo na ordenha
Os programas de prevenção e controle da mastite são baseados em práticas de manejo na ordenha – Foto Erasmo Pereira

 

A pesquisadora alerta que a contagem de células somáticas (CCS) do leite total do rebanho é um importante indicativo da prevalência de mastite e da qualidade da composição do leite. “Rebanhos com baixas CCS apresentam menores perdas na produção e produzem leite com melhor qualidade composicional. Pesquisas demonstram que, nesses, rebanhos há uma redução no uso de antibióticos para tratamento da mastite, o que reduz também o risco de contaminação do leite com resíduos”, afirma Cristiane, que complementa, “O Brasil tem apresentado muitos avanços em relação à qualidade do leite produzido, principalmente, após a implementação da legislação para o setor de lácteos”.

A mastite e vários outros fatores que podem influir na qualidade final do leite, como  alimentação, nutrição, controle de carrapatos e pastagens, serão abordados por pesquisadores da EPAMIG, instituição vinculada à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, nos dias 6 e 7 de novembro, quarta e quinta-feira próximas, durante o treinamento “Estratégias para melhoria da qualidade do leite”. O curso, que acontece no Campo Experimental Santa Rita, em Prudente de Morais, é destinado a extensionistas da regional Unaí da Emater-MG.

 

 

2 comentários sobre “Prevenção e controle da mastite contribuem para a qualidade do leite

    • Comunicação 05/11/2019 / 13:51

      Podemos ajudá-lo?

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s