Feira Inova Minas apresenta tecnologias para produção de alimentos

Além de ciência agrárias, a mostra irá apresentar projetos nas áreas biológicas, saúde, meio ambiente, engenharias, dentre outros.  

Reúso da água no processamento de café, um dos 70 projetos selecionados para a mostra, é aplicado em propriedades cafeeiras de Minas Gerais e Espírito Santo. Foto: Divulgação EPAMIG
Reúso da água no processamento de café, um dos 70 projetos selecionados para a mostra, é aplicado em propriedades cafeeiras de Minas Gerais e Espírito Santo. Foto: Divulgação EPAMIG

(Belo Horizonte – 23/11/2015) Soluções para a produção de alimentos de qualidade serão apresentadas pela Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG) durante o Inova Minas, nos dias 23 e 24 de novembro, no Palácio das Artes.

O evento irá mostrar às pessoas o quanto a ciência faz parte da vida delas e como a Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig) está envolvida com pesquisas que têm impacto no cotidiano de todos os mineiros.

Um dos 70 projetos selecionados para a mostra é o “reúso da água no processamento do café”. Pesquisadores da EPAMIG, Embrapa e Incaper desenvolveram o Sistema de Limpeza de Águas Residuárias – SLAR, constituído por caixas e peneiras, que possibilita o reaproveitamento da água utilizada na lavagem dos grãos. O sistema é de baixo custo e pode ser construído pelo próprio cafeicultor.

Após a remoção de parte dos resíduos, a água pode ser reutilizada em novos processos de lavagem e descascamento do café e na irrigação de lavouras, permitindo uma economia de água superior a 50%. “Essa água residuária é rica em material orgânico, que inviabiliza o seu descarte simples. Por outro lado, pode ser reaproveitada na nutrição de variadas espécies agrícolas”, afirma o pesquisador da Embrapa/EPAMIG Sammy Soares.

Outro projeto destaque é o uso de corantes bioativos para produção de queijo prato que pode prevenir doenças oculares. A tecnologia, desenvolvida por pesquisadores da EPAMIG Instituto de Laticínios Cândido Tostes (ILCT), consiste na utilização de corantes bioativos, como a luteína.

“Substituímos o corante de urucum, tradicionalmente utilizado durante a fabricação do queijo prato, por corante luteína, com propriedades antioxidantes que evita essas doenças. Os resultados apontaram a absorção de 6mg de luteína em cada 100g de queijo, quantidade necessária para uma dieta diária de reposição dessa substância no organismo; e o melhor, sem alterar o sabor do produto”, revela a pesquisadora EPAMIG/ILCT Denise Sobral, que coordenou o estudo.

 

Ciência Móvel da EPAMIG irá apresentar tecnologias desenvolvidas para produção de alimentos de qualidade. Foto: Divulgação EPAMIG
Ciência Móvel da EPAMIG irá apresentar tecnologias desenvolvidas para produção de alimentos de qualidade. Foto: Divulgação EPAMIG

Ciência Móvel

O Ciência Móvel da EPAMIG irá apresentar tecnologias desenvolvidas pela EPAMIG para produção de cafés de qualidade, extração de azeite extravirgem 100% brasileiro, processamento de vinhos finos com técnica inovadora, soja mais saborosa ao paladar, dentre outros. O Ciência Móvel é um ônibus transformado em pequeno laboratório para demonstração de pesquisas e produtos da Empresa. O projeto itinerante, financiado pela Fapemig, desde 2011 circula em eventos em todo Estado.

 

Inova Minas –  Mostra Fapemig

23 e 24 de novembro de 2015

Palácio das Artes – Avenida Afonso Pena, 1.537, Centro – Belo Horizonte

Entrada: gratuita

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s